segunda-feira, janeiro 17, 2022
InícioVariedadesOs desafios da comunicação na arte de falar em público

Os desafios da comunicação na arte de falar em público

A comunicação faz parte da nossa vida mesmo antes de nascermos, enquanto ainda estamos no ventre de nossas mães, ao inspirar sentimentos de amor, ao dar aquele ¨chutezinho¨ e a mamãe, sentindo essa sensação indescritível, convida o papai para colocar a mão em sua barriga para que possa usufruir deste lindo momento.

Ao chegar no planeta terra logo de pronto anunciamos que chegamos por meio do
nosso choro e inspiramos um turbilhão de emoções e sentimentos em todos que estão ali esperando por esse grande momento.

A comunicação faz parte da nossa natureza humana. Como seres relacionais a todo
instante estamos nos comunicando, de uma forma ou de outra, com o nosso estilo único de ser, seja por meio de palavras, de gestos, da música, da dança e de muitas outras formas.

A palavra comunicação vem do latim comunicare que significa colocar em
comum, partilhar, comungar. A questão é: o que estou colocando em comum? O que estou partilhando?

Essa definição pressupõe a existência de no mínimo duas pessoas: uma que vá
enviar a mensagem falada, escrita, verbal ou não verbal e a outra que vai receber
Isso significa que é importante que tanto o emissor quanto o receptor compreendam aquilo que está sendo enviado para que não gere distorções conhecidas como ruídos.

O problema é realmente o que estou comunicando e como estou falando. Pode
parecer simples. A verdade é que não é. Por quê?? Porque mesmo que eu use o mesmo idioma, ao falar ou expressar algo vai junto nossos sentimentos, nosso tom de voz, as expressões faciais, os gestos, os nossos valores dentre outros fatores.

Por outro lado, a pessoa que recebe vai decifrar tudo o que foi dito de forma verbal
ou não verbal a partir de uma percepção dela e que é só dela que também pode estar
carregada da sua experiência de vida, das suas sensações, das crenças, dos ensinamentos da família ou da cultura que pode ser bem diferente da pessoa que emitiu a mensagem.

Como vemos, a comunicação é um dos fatores de maior importância em nossas
vidas. Não são poucos os desafios.

Sintetizando: comunicar é criar conexão com o outro de forma amorosa e
assertiva. É criar ponte. É diálogo para que eu possa entender também o mundo do outro.

No presente momento do século XXI estamos presenciando uma revolução digital que já havia começado no século passado e que foi reforçada com a atual crise sanitária,
a pandemia, levando a grandes mudanças de comportamentos e em todos os sentidos muito rápida e velozmente. Dessa forma, mais do que nunca a comunicação eficaz se torna não apenas necessária como uma competência imprescindível.

Essas mudanças exigem um posicionamento cada vez mais coerente e assertivo,
já que nos leva a conectarmos com mais pessoas não apenas no nosso meio, não apenas local como internacionalmente falando.

As empresas se conectam o tempo todo por meio de vídeo conferências, vendas e
compras são realizadas diariamente pela internet, aniversários são comemorados
virtualmente, trabalhos são realizados em home office. Isso exige que busquemos um
diferencial, exige que possamos nos expressar de forma mais clara, objetiva e a falar cada vez com mais pessoas fora do nosso círculo.

Percebo que as pessoas anseiam por se comunicar melhor, querem ser vistas e
ouvidas, ganhar notoriedade nas redes sociais. Nesse sentido, os cursos de oratória estão sendo procurados para desenvolverem a arte de falar em público e muito mais para vencer o medo e a timidez ao ter que falar para um público, seja de duas, dez ou mil pessoas não importa.

Muitas pessoas já acordaram para a necessidade de saber se expressar bem seja na
vida pessoal seja na profissional.

Warren Buffett, um dos investidores mais importantes do mercado financeiro global, disse “meu curso para falar em público foi indiscutivelmente o melhor investimento que eu fiz na minha vida.”

O mundo dos negócios vem exigindo muito acentuadamente uma comunicação
eficaz que já é uma competência mais do que necessária, seja para participar de uma
reunião, de uma entrevista de emprego, para fazer um pronunciamento na TV,
A pergunta é: você está com essa competência desenvolvida para fazer frente a
esse novo modelo de mundo?

Nesse contexto, um dos grandes desafios da comunicação é desenvolver a competência de falar em público, de vencer e superar o medo e a timidez.

Se desde antes do nascimento a comunicação já está presente em nossas vidas por
que presenciamos pessoas com tanto medo de se expressar? Qual a razão do medo?

Por que a timidez?

Existem pessoas que se expressam bem, sabem argumentar, contra argumentar,
persuadir, convencer e falam com desenvoltura como se fosse algo natural em sua vida.

Por outro lado, existe um outro grupo de pessoas que ao ser convidado para falar em
público se trava, sua frio, suas mãos tremem, suas pernas balançam, dá aquele friozinho na barriga e muitos outros sintomas aparecem.

Se você se identificou com esse segundo grupo, com certeza tem o desejo de
superar o medo e a timidez de se expressar, de colocar uma opinião, de apresentar um relatório, de participar de uma entrevista de emprego, de apresentar os trabalhos das diversas atividades acadêmicas e em tantas outras situações. Para quem está nesse segundo grupo, faço a seguinte pergunta: quantas oportunidades você já perdeu por não ter a competência da comunicação desenvolvida?

Você pode ser o mais preparado tecnicamente e se não souber comunicar isso às
pessoas não terá o resultado desejado, deixando a oportunidade passar.

A boa notícia é que você não é um peixe fora d’água. Grandes personalidades
também confessaram ter passado por isso. Eu também passei e venci. Até a década de 1980 eu não falava em público de jeito nenhum e perdi muitas oportunidades. Tudo mudou quando fui desafiada por um consultor na empresa que trabalhava.

Como tenho uma crença impulsionadora muito forte que é gostar de desafios, enfrentei e venci. Hoje é o que amo fazer e dou aula de oratória e com isso estou podendo transformar várias vidas assim como a minha foi transformada.

Importante ressaltar que a comunicação não é um dom e sim uma competência
uma habilidade e como tal pode ser treinada e desenvolvida se assim desejarmos.
Obviamente que é todo um processo e não um passe de mágica que você dorme
com medo e acorda num palco falando.

Vou passar alguns pontos importante para que você possa vencer esse medo que
é o que passo nos meus cursos A Arte de Falar em Público: do medo à autoconfiança.
Quando pergunto a causa do medo, na grande maioria a resposta é: medo de ser
julgado, de dar o branco, de não ser perfeito e também por ter vergonha, por ser tímido.

Isso nos leva a identificar a falta de autoconfiança que por sua vez nos leva a falta
de autoconhecimento.

Por isso o primeiro passo é tomar a consciência que tem medo ou tem vergonha
por conta da timidez.

O passo seguinte é trabalhar o autoconhecimento para saber os pontos fortes,
capacidades, habilidades e aquilo que ainda precisa desenvolver e melhorar. Nesse ponto, numa linha de tempo, que vai lá para a infância vem à tona uma série de crenças limitantes que nos foram colocadas, muitas vezes involuntariamente por papai e por mamãe, e da infância vai avançando para a adolescência, para a juventude até chegar à idade atual. Ao fazer isso se toma consciência das dores e das alegrias, das conquistas, dos erros e dos acertos e nesse momento solicito que pense numa palavra bem positiva que resuma a sua história. Essa palavra vai servir para trabalhar os pontos a melhorar.

Nesse ponto, a autoconfiança começa a surgir e aplico uma técnica de visualização
de algo bem positivo onde a pessoa vai sentir ouvir e ver como ela estava nesse momento.

Em seguida, mudando de posição, começa a se visualizar falando em público, sentindo vendo e ouvindo aquilo que vivenciou no primeiro momento. Repete-se isso alguma vez.

Nesse momento a autoconfiança está ainda maior.

A partir daí com várias práticas em aula a pessoa vai falando e nem percebe que
está falando e sem medo.

É muito emocionante constatar os inúmeros casos de sucesso aplicando essa
metodologia onde utilizo diversas outas técnicas da Programação Neurolinguística, do
Coaching e de outras de desenvolvimento humano.

E agora o meu pulo do gato!!! Isso que vou passar foi o que me fez sair definitivamente do medo para a autoconfiança. Quando a pessoa me diz: tenho medo da plateia, medo do julgamento e por aí vai.

Ensino que a plateia não é nenhum monstro. Estão lá porque querem nos ouvir,
nos ver e sentir o que estamos falando. Peço que imaginem que as pessoas que estão
sentadas na plateia são pessoas amigas que você recebe na sua sala de visita ou numa área lazer da sua casa para um bate papo entre amigos. Isso traz uma virada de chave muito grande. É impressionante!

Finalizando quero deixar claro que o falar em público é um desafio que pode ser
vencido sim, porque é, como já disse, uma competência. Se eu consegui, você também vai conseguir.

Muito importante ressaltar que a técnica de como falar, como estar no palco, como
apresentar uma palestra, é importante com certeza (não vou falar dela aqui pois não é esse o objetivo) porém muito mais importante do que a técnica é a sua naturalidade, a sua espontaneidade; é você falar da sua alma para alma do outro com muito amor, com seus olhos brilhando e o seu coração dançando de alegria.
Comece falando para poucas pessoas. Público pode ser de duas pessoas ou de
muitas, não importa.

Confie em você, na sua capacidade. Tenha coragem de enfrentar a “fera”, torne
ela sua amiga. Vá e faça acontecer.

Daisy Jardim – gente que ama gente – Mestre em Educação, mentora e treinadora de desenvolvimento comportamental para pessoas em desenvolvimento, líderes e equipes. Mentora em comunicação na arte de falar em público.

ARTIGOS RELACIONADOS
- Publicidade -

MAIS ACESSADOS

COMENTÁRIOS RECENTES