23.6 C
Salvador
quarta-feira, agosto 17, 2022
InícioBahiaSalvadorCaso de racismo no Portinari revolta Suíca na véspera do Dia da...

Caso de racismo no Portinari revolta Suíca na véspera do Dia da Consciência Negra

Véspera do Dia da Consciência Negra e mais um caso de racismo em colégio particular de Salvador é revelado e repudiado pelo vereador de Salvador Luiz Carlos Suíca (PT). O presidente da Comissão de Reparação da Câmara voltou a criticar a situação e deve propor uma audiência pública junto com a Associação de Escolas Particulares da capital para tratar da implementação da Lei 10.639, que obriga o ensino de história do negro e índio na educação de todos os níveis. Nesta sexta-feira (19), Suíca disse que o novo caso de racismo envolveu estudantes do colégio Portinari, relembrou que outras unidades de ensino como Sartre e Anchieta também tiveram episódios criminosos e aponta que o cumprimento da lei ajudará a evitar casos como esses.

“Os casos estão aumentando e isso é preocupante do ponto de vista criminal e educacional, talvez a lei não esteja sendo implementada como deveria. Vamos buscar o diálogo com as unidades de ensino com uma audiência pública com a associação das escolas particulares para tratar da implementação dessa norma. Com isso, podemos ajudar a diminuir esses tipos de crimes. Mas também vamos reforçar a importância de se ter um núcleo antirracista que auxilie a unidade de ensino a ter em sua programação matérias sobre a cultura e a história dos negros e índios em todos os níveis. Não podemos deixar que a educação seja vilipendiada e agredida por quem está em formação. Isso é que temos que ter atenção maior. O colégio é um local de formação e não para ampliar as desigualdades e preconceitos”, revela Suíca.

O edil petista também celebra a regulamentação do Estatuto de Igualdade Racial em Salvador, mas cobra mais atenção do poder público para casos de racismo e de intolerância religiosa. “Nem preciso lembrar que esse mecanismo é importante para suprir demandas do povo negro na capital. Foi para isso que lutamos na Câmara para que esse estatuto fosse aprovado, e dois anos depois está sendo regulamentado pela prefeitura. No entanto, não vamos deixar de atuar e lembrar que no Anchieta, no Sartre – que já tem reunião agendada entre a Comissão de Reparação e a diretoria da escola – e agora no Portinari, casos de racismo preocupam muito por essas unidades serem responsáveis pela formação de milhares de crianças e adolescentes”.

Cidade Revistahttp://www.cidaderevista.com.br
Notícias e Parcerias? Chama no WhatsApp-> (71) 99900-3232
ARTIGOS RELACIONADOS
- Publicidade -

MAIS ACESSADOS

COMENTÁRIOS RECENTES