28 C
Salvador
quarta-feira, dezembro 1, 2021
Anuncie aqui!
InícioBrasilBahia"Ele não aceitou o crescimento de um amigo", diz mulher de João...

“Ele não aceitou o crescimento de um amigo”, diz mulher de João Roma sobre ACM Neto

Ao que parece, os entraves entre o ministro da Cidadania, João Roma, e o ex-prefeito de Salvador, ACM Neto, estão longe de acabar. Em entrevista à Coluna Painel, da Folha de S. Paulo, a mulher do ministro, Roberta Roma, fez duras críticas ao presidente nacional do DEM.

Como pretender ser candidata a deputada federal, Roberta afirmou que o ex-prefeito tem ameaçado pessoas próximas a ela e que têm cargo na Prefeitura para não apoiá-la.

“Ele vai lá nos contratos da prefeitura, de pessoas. ‘Ou você é meu ou você é dele’. É tipo obrigar. ‘Eu vou tirar sua mulher que trabalha na prefeitura, vou tirar sua prima de 2º grau, vou te destruir’. Ele vai usar a fama dos Magalhães”, afirma.

Segundo ela, o desejo de Neto é que Roma desista da corrida pelo Governo do Estado e tente a reeleição à Câmara dos Deputados.

“João se coloca ao lado de Bolsonaro. ‘Eu vou ser essa dita extrema-direita na Bahia’, que tem 70%, 80% de rejeição, mas esse 20% que é firme Bolsonaro vai colar em João Roma. Não vai ser ACM Neto. Tem 20% de Bolsonaro e João Roma, os 60% de Lula e Jaques Wagner, e ACM Neto fica com o quê?”, calcula.

Roma e Neto romperam após o atual ministro da Cidadania aceitar convite do presidente Jair Bolsonaro em fevereiro, contrariando vontade do seu antigo padrinho político. João Roma, quando ACM Neto esteve como prefeito, foi chefe de gabinete do Poder Executivo Municipal e contou com apoio do antigo amigo para se eleger deputado.

“Ele não aceitou o crescimento de um amigo. Isso foi o mais doloroso. A gente acreditou muito nele. Quando João teve a oportunidade de crescer e brilhar, ele não foi grande. Trabalha com ameaças. Se não atender a minha vontade, eu cancelo, corto, demito, travo. É o império dele, o império baiano”, defende Roberta.

Ao final, Roberta ainda afirmou que o ex-prefeito é “pior que o avô”, o ex-senador ACM, que faleceu em 2007.

“Trabalha com ameaças. ‘Se não atender a minha vontade, eu cancelo, corto, demito, travo’. É o império dele, o império baiano”, afirma. “É pior que o avô [Antonio Carlos Magalhães (1927-2007), governador da Bahia e senador]. O avô tinha ética, ele não tem.”

Com informações da Folha de S. Paulo

Anuncie aqui no Cidade Revista
ARTIGOS RELACIONADOS
- Publicidade -
Blessed Modas

MAIS ACESSADOS

COMENTÁRIOS RECENTES