29 C
Salvador
domingo, maio 22, 2022
InícioBrasilImpasses entre partidos ameaçam palanques de Lula nos maiores colégios eleitorais do...

Impasses entre partidos ameaçam palanques de Lula nos maiores colégios eleitorais do país

Com a formalização da aliança entre Luiz Inácio Lula da Silva e Geraldo Alckmin para as eleições deste ano, PT e o PSB tentam entrar em consenso sobre candidaturas em dois Estados do Sudeste – São Paulo e Rio de Janeiro. Já em Minas Gerais, o Partido dos Trabalhadores busca o apoio do PSD, de Gilberto Kassab, mas tem a cadeira no Senado como obstáculo. Essas indefinições ameaçam os palanques do petista nos maiores colégios eleitorais do país. São Paulo é o Estado com maior número de eleitores, 32,3 milhões, segundo o Tribunal Superior Eleitoral (TSE). O PT quer lançar Fernando Haddad como candidato ao governo estadual, o que gerou um impasse com o PSB. O ex-prefeito da capital paulista lidera a disputa com 29,7%, de acordo com o último levantamento do Instituto Paraná Pesquisas, divulgado na segunda-feira, 2. No entanto, o PSB insiste na postulação do ex-governador do Estado Márcio França e quer o apoio da sigla de Lula.

As legendas negociam para que apenas um deles dispute o Palácio dos Bandeirantes. França sugere que a definição seja feita por meio de pesquisas. O postulante do PSB aparece em segundo lugar na maioria dos levantamentos, atrás de Haddad, porém tem menos rejeição que o petista. A pesquisa Datafolha realizada no início de abril mostrou que 34% dos paulistas não votariam no ex-prefeito para o governo estadual “de jeito nenhum”. Já o índice de rejeição de França é de 20%. Em sabatina realizada pelo portal UOL e pelo jornal Folha de S.Paulo, o ex-governador disse que, caso o PT não aceite o acordo, ele vai seguir com a candidatura até o fim. Neste caso, o palanque ficaria dividido em São Paulo.

Senado e Minas Gerais

Lula também tem uma dor de cabeça em Minas Gerais. O ex-presidente quer o apoio do ex-prefeito de Belo Horizonte Alexandre Kalil, que será candidato ao governo do Estado pelo PSD. No entanto, a disputa por uma cadeira no Senado se tornou o principal empecilho para uma aliança entre os partidos. O senador Alexandre Silveira, que assumiu o mandato com a ida de Antonio Anastasia para o Tribunal de Contas de União (TCU) deve disputar a reeleição na chapa de Kalil. O PT, por sua vez, quer lançar o deputado federal Reginaldo Lopes, líder da sigla na Câmara, para disputar uma cadeira na Casa Alta do Congresso Nacional. Em entrevista a uma afiliada da Rádio Itatiaia, Kalil disse que “é muito difícil” o PSD apoiar Lula sem uma coligação formal. A falta de alianças em Minas pode prejudicar os palanques do petista no Estado, o segundo maior colégio eleitoral do país, com 15,5 milhões de eleitores.

Senado e Rio de Janeiro

O Senado também é motivo de embate no Rio de Janeiro. O PT quer André Ceciliano, atual presidente da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj), como candidato a senador na chapa de Marcelo Freixo, que disputará o governo fluminense pelo PSB. Ao mesmo tempo, o partido de Alckmin lançou o deputado Alessandro Molon para disputar o Senado. Ceciliano já afirmou que o PT deve retirar o apoio formal a Freixo caso o PSB não abra mão dessa candidatura. Neste caso, Lula teria menos espaço no Rio, domicílio eleitoral do presidente Jair Bolsonaro. O petista está à frente no cenário geral das pesquisas presidenciais, mas não tem vantagem no Sudeste, onde estão os três maiores colégios eleitorais. Segundo a última pesquisa PoderData, Lula está empatado com Bolsonaro na região, ambos com 39% das intenções de voto.

Com informações da Jovem Pan

Cidade Revistahttp://www.cidaderevista.com.br
Notícias e Parcerias? Chama no WhatsApp-> (71) 99900-3232
ARTIGOS RELACIONADOS
- Publicidade -

MAIS ACESSADOS

COMENTÁRIOS RECENTES