26 C
Salvador
terça-feira, novembro 30, 2021
Blessed Modas
InícioTecnologiaInstituições particulares devem manter vestibular digital mesmo após pandemia

Instituições particulares devem manter vestibular digital mesmo após pandemia

As restrições impostas pela pandemia devem mudar para sempre o processo seletivo das universidades. O modelo tradicional, no qual o aluno vai até a instituição e faz a prova no papel, não existirá mais em algumas instituições particulares.

A ESPM, por exemplo, que no ano passado adotou para seu processo seletivo um modelo de entrevistas acompanhado por uma redação, feita de maneira remota, manterá a fórmula neste ano.

“A gente já tinha a pretensão de fazer a seleção virtual antes da pandemia. Queríamos entrevistar todos os candidatos, e muitos não são de São Paulo, então não dá para ser presencial. Antes da Covid, a aceitação de algo remoto não era tão grande. A pandemia acabou acelerando isso”, afirma Alexandre Gracioso, vice-presidente acadêmico.

Segundo ele, para o ano que vem o modelo pode até sofrer alguma alteração, mas não voltará a ser como era no pré-pandemia, com avaliações presenciais, de papel. As inscrições para a prova da ESPM vão até dia 16.

Já o Insper, apesar de aplicar a prova remotamente, tal qual em 2020, abre também possibilidade para que, se assim desejar, o candidato possa fazê-la presencialmente –mas também online, nos computadores do instituto. E esse pode ser um formato para as futuras provas.

“Buscamos um caminho do meio. O problema de realizar uma prova só em casa é que temos de gerenciar 5.000 pessoas ao mesmo tempo. Nosso plano é ter pontos de aplicação pelo Brasil. Mais da metade dos alunos hoje não são paulistanos”, diz Guilherme Martins, diretor de graduação da instituição.

As inscrições para o processo seletivo no Insper vão até 13 de novembro. A exceção é quem quiser prestar vestibular para ciências da computação, curso novo, que pode se inscrever até 28 de janeiro.

Outras universidades, como a Mackenzie, cogitam, para o ano que vem, dar ao aluno a opção de fazer a prova remotamente ou de maneira tradicional, na instituição. Neste ano, o vestibular será completamente remoto.

A FGV, por sua vez, afirma que pretende manter sua prova de ingresso online daqui em diante e lembra que, em breve, a tecnologia 5G deverá revolucionar a transmissão de dados no Brasil. A instituição ressalta, porém, que um modelo híbrido, com alguns alunos fazendo o vestibular presencialmente e outros de casa, também pode ser uma opção.

Já nas universidades públicas, que mantêm provas presenciais, uma mudança trazida pela pandemia e seus impactos sociais é a queda no número de candidatos.

Na USP (Universidade de São Paulo), a quantidade de vestibulandos inscritos no processo seletivo atual, que começa em 12 de dezembro e tem sua segunda fase nos dias 16 e 17 de janeiro, caiu 15,4% em relação a 2020 –de 130.525 inscritos para 110.383. É a maior redução em 20 anos.

Entre os candidatos oriundos de escolas públicas, a queda ainda é maior, 25,7% (de 31.164 para 23.131 inscritos).

Belmira Bueno, diretora-executiva da Fuvest –responsável pelo vestibular da instituição–, atribui essa redução principalmente ao desalento dos estudantes após mais de um ano e meio de pandemia.

“Suponho que a falta de entusiasmo venha de uma quase ausência da escola. Muitos alunos também foram trabalhar no período para ajudar as famílias e se deram conta de que não estão preparados para o vestibular.”

Bueno diz que viu desde 2020 sinais de que a redução aconteceria. O mais relevante deles foi a diminuição dos inscritos para uma iniciativa que a universidade toca desde 2017 com escolas públicas do estado, chamada Cuco (Competição USP de Conhecimentos). Trata-se de uma prova que dá aos bem colocados isenção na taxa de inscrição para a Fuvest. Neste ano, 2.625 estudantes foram premiados.

Em 2019, quase 140 mil alunos se inscreveram para tentar a isenção via Cuco. No ano seguinte e em 2021, o número ficou entre 60 e 65 mil.

“Antes da pandemia, o contato e o convívio com os colegas era muito importante. Na escola eles iam sendo formados e informados. Quando ela não funciona, tudo cai por terra. Foi um peso muito grande ter a escola fechada quando pensamos em vestibular”, afirma Bueno.

Já na Unicamp, a redução de inscritos foi de 18,5% –77.653 no processo seletivo passado contra 63.297 no atual.

Para José Alves de Freitas Neto, diretor da Comvest, órgão responsável pela organização da prova, a queda também era esperada.

“Há um contexto de desmobilização estudantil e uma forte crise, o que faz com que muitos adiem sua preparação ou mesmo o ingresso numa universidade pública. A queda de inscritos no Enem e a diminuição de pedidos de isenção de taxas foram indícios que apontaram para isso.”

A primeira fase do vestibular da Unicamp ocorre neste domingo (7), e a segunda entre 9 e 10 de janeiro.

Com informações da Folhapress

Associação FelizCidade
ARTIGOS RELACIONADOS
- Publicidade -
Blessed Modas

MAIS ACESSADOS

COMENTÁRIOS RECENTES