29 C
Salvador
quarta-feira, dezembro 1, 2021
Anuncie aqui!
InícioPolítica'Tudo parado, tudo parado', diz Alcolumbre sobre sabatina de Mendonça

‘Tudo parado, tudo parado’, diz Alcolumbre sobre sabatina de Mendonça

O presidente da CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), afirmou que o processo referente à sabatina do ex-ministro André Mendonça para uma vaga no Supremo Tribunal Federal continua “tudo parado”.
Membros da CCJ ainda afirmam que está claro que o presidente da comissão não vai pautar a sabatina de Mendonça durante o esforço concentrado, a ser realizado no fim do mês.

Alcolumbre já tem inclusive argumentado a interlocutores que apenas uma semana de mutirão para a análise dos nomes indicados pelo Executivo é insuficiente. O senador amapaense ainda vem sinalizando que não vai acelerar o processo das indicações que precedem a de Mendonça e que por isso o nome do ex-Advogado-Geral da União vai continuar na fila.

A CCJ de reuniu pela primeira vez em mais de um mês nesta terça-feira (9). A reunião durou apenas 10 minutos, para a votação do relatório sobre emendas da comissão ao orçamento. A sabatina de Mendonça não foi discutida.

Ao chegar para a sessão, Alcolumbre foi questionado por jornalistas sobre o estágio atual da sabatina de André Mendonça para uma vaga no Supremo Tribunal Federal.
“Tudo parado, tudo parado”, respondeu brevemente o senador amapaense.

Na semana passada, o seu aliado político, o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), marcou um esforço concentrado para as sabatinas e votação das indicações de autoridades, que será realizado nos dias 30 de novembro, 1 e 2 de dezembro.

O presidente do Senado disse que “certamente” todos os presidentes de comissões iriam cumprir suas obrigações e realizar as sabatinas pendentes, elevando ainda mais a pressão sobre Alcolumbre.

“O Senado, dentro da sua função constitucional de apreciar nomes indicados para diversas instâncias de agências reguladoras, o Conselho Nacional de Justiça, do Ministério Público, as embaixadas, nós temos o dever de sabatinar e apreciar no plenário esses nomes”, afirmou Pacheco na ocasião.

“Todos os presidentes de comissão do Senado, já cientes dessa designação de esforço concentrado, certamente vão se desincumbir do seu dever próprio de cada comissão de apreciar e fazer as sabatinas dos indicados que ainda não foram sabatinados, inclusive para o Supremo Tribunal Federal”, completou.

Após a sessão da CCJ nesta terça-feira, Alcolumbre teve uma reunião a portas fechadas com o líder do governo no Senado, Fernando Bezerra (MDB-PE), e o líder do MDB na Casa, Eduardo Braga (MDB-AM). Ambos cobraram duramente o presidente da CCJ e disseram que não vão apoiá-lo em caso de recusa a marcar a sabatina durante o esforço concentrado.

Alcolumbre tem indicado a outros senadores que o agendamento do esforço concentrado não terá efeitos práticos sobre a sabatina de Mendonça. Afirma que uma semana não será suficiente para realizar todas as análises pendentes e que ele não pretende acelerar as que precedem.

O presidente da CCJ e ex-presidente do Senado ainda afirma que apenas a sabatina de Mendonça deve durar de seis a oito horas, o que consumiria um dia inteiro de sessão. Um interlocutor ainda relata que ele brincou afirmando que apenas Alcolumbre pretende usar umas “quatro horas” com questionamentos.

Com informações da Folhapress

Anuncie aqui no Cidade Revista
ARTIGOS RELACIONADOS
- Publicidade -
Blessed Modas

MAIS ACESSADOS

COMENTÁRIOS RECENTES